7 casos de fraude e sofisticação de ocultação. Como está isso em sua empresa?

Cada vez mais, os fraudadores estão usando empresas de fachada para comprometer tudo, desde apropriação indébita de Ativos e lavagem de dinheiro a esquemas de suborno e corrupção. Os comitês de auditoria desejam que examinadores de fraudes garantam que suas organizações não sejam vítimas. Veja como usar a análise de dados de fraude para detectar carapaças ilegais.

Faça uma pesquisa no Google da frase “esquema de fraude através de carapaça empresarial” e você encontrará mais notícias do que tempo para ler.

No sudeste da Ásia, um funcionário roubou US$ 11 milhões usando um esquema de empresa de fachada com faturamento falso. Nos EUA, uma empresa perdeu US$ 65 milhões através de um esquema semelhante. Os fraudadores estão usando empresas de fachada para roubar milhões de dólares das organizações todos os anos.

As empresas de fachada são entidades comerciais que normalmente não têm presença física (exceto um endereço de correspondência), nenhum funcionário e geram pouco ou nenhum valor independente. Elas não são necessariamente ilegais, mas os funcionários podem usá-las para cometer fraudes.

Elas podem ser nada mais que um nome e endereço fabricados que um funcionário usa para coletar desembolsos de cobrança falsa.

Mas, como o criminoso recebe pagamentos efetuados em nome da empresa de fachada, normalmente o criminoso também cria uma conta bancária em nome da nova empresa para poder depositar e descontar os cheques fraudulentos.

Sobre o tema, você pode consultar o Manual on-line dos examinadores de fraude da ACFE-Association of Certified Fraud Examiner (https://www.acfe.com/), Seção 1: Transações financeiras e Esquemas de Fraude / Apropriação Indébita de Ativos: Desembolsos Fraudulentos / Esquemas de Cobrança, que está disponível em: https://b-ok.org/book/1185793/ca19e4, – último acesso em 11.jan.2020.

Nos últimos anos, as organizações ficaram cada vez mais preocupadas com essa ameaça crescente. Os autores usaram empresas de fachada para cometer uma variedade de esquemas de fraude, bem como tudo sobre apropriação indébita de Ativos e lavagem de dinheiro a esquemas de suborno e corrupção.

Agora, os comitês de auditoria estão fazendo a pergunta difícil:

Isso pode acontecer em nossa empresa?

Neste artigo, será demonstrado o processo de uso da análise de dados de fraude para encontrar empresas de fachada. O processo começa com:

1) Redigir uma declaração de risco de fraude,

2) Determinar a metodologia de análise de dados de fraude, e

3) Pesquisar o arquivo mestre e os dados transacionais.

Também vou compartilhar algumas histórias da vida real de como detectamos esses esquemas.

Metodologia de análise de dados de fraude:

Quando se trata de usar a análise de dados de fraude, sua equipe precisa seguir algumas regras básicas:

  1. Entenda o que você está procurando, criando uma declaração de risco de fraude.

  2. Desenvolva um plano de análise de dados de fraude com base na sua declaração de risco de fraude.

  3. Entenda como todas as transações comerciais se vinculam aos dados do arquivo principal e aos dados do arquivo transacional. (Um arquivo mestre é a identidade dos dados de um fornecedor. Um arquivo transacional é a identidade dos dados dos pedidos, faturas e pagamentos do fornecedor.)

  4. Use a análise de dados para procurar padrões e frequências de dados que se correlacionem com os relatórios de risco de fraude.

A análise de dados de fraude é o processo de usar a mineração de dados para analisar dados em busca de sinais vermelhos correlacionados a uma instrução específica de risco de fraude.

Na Auditoria de Fraude, o projeto não começa com uma alegação, mas com uma Declaração de Risco de Fraude.

Cabe ao Examinador ou Auditor da Fraude identificar fornecedores suspeitos que possam fazer parte de um esquema de empresa de fachada. Por meio de análise de dados padrão e procedimentos de teste de fraude, o Examinador ou Auditor de Fraude pode e deve identificar fornecedores para investigação.

  1. O ponto de partida de um projeto de análise de dados de fraude é uma declaração de risco de fraude, que fornece as especificações do programa para projetar e interpretar dados. Depois de desenvolver a declaração, você pode formular uma estratégia para identificar efetivamente as empresas de fachada.

    Um Relatório de Risco de Fraude inclui três elementos críticos:

    1) A ocupação da pessoa que cometeu o esquema,

    2) O tipo de empresa de fachada e

    3) A ação de fraude.

Quando estiver gerando o relatório, considere a hipótese de como o autor pode ter adaptado a empresa de fachada ao setor da sua organização ou do seu fornecedor.

Por exemplo, em uma auditoria de obra, um esquema de repasse pode envolver um subempreiteiro legalmente pertencente ao contratante geral, mas que foi criado com a intenção de aumentar os custos do contrato.

Em um esquema de repasse, um fraudador vende bens ou serviços reais a empresas vítimas.

Os funcionários encarregados de comprar em nome da empresa vítima geralmente cometem esses esquemas de repasse. Em vez de comprar mercadorias diretamente de um fornecedor, um funcionário corrupto configura uma empresa de fachada e compra a mercadoria através dessa entidade fictícia. Em seguida, revende a mercadoria para seu empregador da empresa de fachada a um preço inflado.

Veja o Manual on-line dos examinadores de fraude da ACFE-Association of Certified Fraud Examiner (https://www.acfe.com/), Seção 1: Transações financeiras e Esquemas de Fraude / Apropriação Indébita de Ativos: Desembolsos Fraudulentos / Esquemas de Cobrança, disponível em: https://b-ok.org/book/1185793/ca19e4, útimo acesso em: 11.jan.2020.

Além disso, considere o uso pretendido da empresa de fachada.

Por exemplo, em um esquema identificado pela Lei de Práticas de Corrupção no Exterior, os gestores podem estar usando a empresa de fachada para ocultar subornos. No caso de fornecedores disfarçados preferidos pelo governo (um fornecedor registrado no governo como, por exemplo, um fornecedor minoritário), um contratado pode criar uma empresa de fachada para fornecer a ilusão de atender aos requisitos do contrato.

Dois Relatórios de Risco de Fraude: enfocarei as declarações de risco de fraude para esquemas de passagem e cobrança falsa que geralmente ocorrem em todo o mundo e potencialmente em todas as organizações.

Primeiro: um Relatório de Risco de Fraude para um esquema de passagem (dos quais existem pelo menos 15 permutações): Proprietário do orçamento (alguém em uma organização responsável por tomar decisões em sua área de responsabilidade), agindo sozinho ou em conluio com um funcionário de relatório direto, organiza uma empresa de fachada a ser configurada no arquivo mestre e faz pedidos de bens ou serviços através da empresa de fachada. A empresa de fachada realiza um pedido com um fornecedor real e o fornecedor real é enviado diretamente para a empresa do proprietário do orçamento. O fornecedor real fatura a empresa de fachada e a empresa de fachada fatura a empresa do emissor do orçamento a um preço inflado, o que desvia os fundos da empresa.

Segundo: um Relatório de Risco de Fraude para um esquema de cobrança falsa, sendo que uma empresa apresenta um orçamento, agindo sozinha ou em conluio com um funcionário direto, faz com que uma empresa de fachada seja configurada no arquivo mestre do fornecedor. A empresa que apresenta o orçamento organiza a emissão de um pedido ou contrato de compra e aprova uma fatura falsa de bens ou serviços, para desviar os fundos da empresa.

Analisando dados do arquivo mestre e dados do arquivo transacional:

Depois de seguir as regras de 1 a 3, do Manual on-line dos examinadores de fraude da ACFE-Association of Certified Fraud Examiner (https://www.acfe.com/), na página 19, você pode começar a regra 4 – pesquisando empresas de fachada analisando os dados do arquivo mestre ou os dados transacionais. (Eu achei os dados transacionais mais reveladores. No entanto, o ponto de partida é mais uma questão de essência sobre a forma.)

Antes de começar, verifique se você calibrou suas análises para corresponder à “sofisticação de ocultação” do agressor ou à sua capacidade de ocultar transações ilícitas.

Os examinadores de fraude encontram fraude quando seus métodos de detecção são mais sofisticados do que os métodos de ocultação dos fraudadores.

Por exemplo, considere estes níveis de sofisticação para endereços de fornecedores criados para empresas de fachada:

  • Baixa sofisticação: uma correspondência direta entre o endereço conhecido de um criminoso e o endereço da empresa de fachada.
  • Sofisticação média: uma correspondência limitada entre o endereço conhecido de um criminoso e o endereço da empresa de fachada (ou seja, o endereço de um criminoso está localizado na mesma cidade, estado ou país da empresa de fachada).
  • Alta sofisticação: não existe correspondência entre o endereço conhecido do agressor e o endereço da empresa de fachada.

Adaptação à experiência dos fraudadores:

Para identificar casos de fraude, os examinadores de fraudes devem adaptar suas análises para corresponder aos níveis de experiência dos autores/atores. Aqui estão algumas diretrizes para pesquisar dados do arquivo mestre e do arquivo transacional.

Dados do arquivo mestre:

Adote uma abordagem exclusiva de análise de dados de fraude para cada uma das cinco categorias principais de empresas de fachada.

Em um esquema de empresa de fachada criado, uma pessoa interna faz com que uma empresa de fachada seja adicionada ao arquivo de contas a pagar para confirmar um esquema de cobrança falsa ou de transferência de recursos.

Para detectar uma empresa de fachada criada, você deve:

  • Procurar informações de fornecedores ausentes porque o agressor quer controlar quem pode entrar em contato com a empresa de fachada.
  • Associe o endereço ou as contas bancárias ao banco de dados de recursos humanos.
  • Identifique anomalias nos dados (ou seja, um fornecedor sem endereço ou conta bancária associados). Em um esquema assumido de empresa de fachada, uma pessoa interna assume a identidade de um fornecedor inativo que já está no arquivo mestre ou de um fornecedor real de mercado que não está no arquivo mestre.

Para identificar esse tipo de esquema:

  • Pesquise alterações (temporárias ou permanentes) em endereços ou contas bancárias.
  • Ao procurar um fornecedor real no mercado, siga as etapas para identificar empresas de fachada criadas. Em um esquema oculto de empresa de fachada, uma empresa real opera sob vários nomes. A primeira empresa é a empresa real, e as empresas adicionais são de fachada. Esse esquema visa burlar os níveis de controle ou fornecer a ilusão de compras competitivas.

Para identificar uma empresa de fachada oculta, pesquise dados duplicados entre dois ou mais fornecedores (ou seja, números de telefone, endereços de email e números de identificação do governo). Em um esquema simples, você pode encontrar endereços duplicados ou números de contas bancárias.

Um conflito de interesses da empresa fachada é o que utiliza uma empresa criada legalmente que fornece bens ou serviços, mas o fornecedor tem apenas um cliente: você.

Um funcionário interno ou alguém relacionado ao funcionário pode ser o proprietário desta empresa. Para detectar esse esquema, use análises de dados semelhantes às usadas para identificar uma empresa de fachada criada para tal finalidade. As empresas temporárias de fachada são aquelas que o autor usa para um número limitado de transações. A empresa de fachada pode ser uma identidade criada ou assumida, e a empresa pode existir apenas no nome. As organizações que possuem procedimentos de pagamento único geralmente são vulneráveis ​​a esse esquema. Para detectar uma empresa de fachada temporária, procure um número limitado de transações com um fornecedor que se correlacione com um centro de custo.

Dados de arquivos transacionais:

Mantenha-os simples ao pesquisar empresas de fachada. Foque nos principais dados transacionais: tabelas para pedidos, faturas e pagamentos.

Aqui estão cinco elementos principais dos dados transacionais a serem analisados:

  • O número de controle / número da fatura: Um padrão sequencial ou um número de fatura com baixo início é um bom indicador de uma empresa de fachada criada ou de um esquema de conflito de interesses. Um fraudador mais sofisticado usará um padrão de alcance limitado em vez de um padrão sequencial.
  • O campo da data: Procure uma ordem ilógica de transações – datas da fatura que ocorrem antes das datas dos pedidos – ou velocidade incomum de processamento. Compare a data do pagamento com a data da fatura. Ambas as anomalias indicam que alguém está a contornar os controles internos.
  • O valor da fatura: Se o valor da fatura estiver abaixo de um limite de controle, um criminoso pode agir para evitar a necessidade de aprovação dupla. Se todas as faturas de um fornecedor estiverem abaixo de um nível de controle principal, esse fornecedor poderá ser uma empresa de fachada.
  • Discrepância da Nota Fiscal Fatura: Analise a descrição da linha da fatura para detectar anomalias nos dados alfa ou numéricos, incluindo os comprimentos alfa e numérico da sequência (o número de números inteiros, letras ou símbolos especiais no campo de dados) mais a ausência de dados alfa ou numéricos ou palavras-chave, comparativamente com outras Notas Fiscais Fatura do emitente.
  • A conta contábil: Esta conta está vinculada diretamente à pessoa que cometeu o esquema de fraude. As contas do razão geral podem ajudar a prever se você está procurando um esquema de passagem ou cobrança falsa. O aluguel de equipamentos é comumente associado a esquemas de passagem. As categorias de serviços profissionais são frequentemente associadas a esquemas de cobrança falsa. Ao analisar os dados transacionais, pese a significância acumulada de todas as bandeiras vermelhas. Em alguns casos, uma flagrante bandeira vermelha – por exemplo, um endereço de fornecedor que corresponde diretamente a um endereço de funcionário – indica fraude. No entanto, com mais frequência, você deve procurar uma variedade de pequenas bandeiras vermelhas que indicam coletivamente fraude.

Casos de fraude na vida real:

Usamos as técnicas de análise de dados acima para descobrir esses esquemas de cobrança falsa e de passagem em várias organizações. (Para proteger a confidencialidade, não usamos nomes de clientes ou fornecedores).

Casos de cobrança falsa:

Um vice-presidente da Ambiva Corp. vinculou R. Consulting Inc. ao arquivo principal do fornecedor. O vice-presidente roubou US $ 130.000 em um mês através de quatro faturas numeradas em um padrão sequencial: 1, 2, 3 e 4.

As duas primeiras faturas tinham a mesma data e cada fatura estava abaixo do limite de controle. No entanto, as duas faturas juntas excederam o nível de controle. Todas as transações foram registradas no mesmo centro de custo. Todas as descrições das faturas eram “serviços de consultoria”. Identificamos isso como um esquema criado por uma empresa de fachada.

Em outro caso, a Manunte Inc. usou um fornecedor, SLP Consulting Inc. O padrão do número da fatura era sequencial, mas não vimos padrões nas datas ou nos valores da fatura. As faturas começaram com um número de fatura de cinco dígitos para fornecer a ilusão de uma empresa existente. Nossa investigação determinou que a esposa do vice-presidente de recursos humanos da Manunte estava prestando esses serviços de consultoria por um custo total de US $ 120.000. Identificamos a SLP Consulting como conflito de interesses em uma empresa de fachada.

Em um terceiro caso, a Telezio Inc. possuía 65 faturas, totalizando US$ 1,9 milhão, com um padrão sequencial de faturas em um intervalo de 860 dias. Todos os valores da fatura excederam o limite de controle. Os procedimentos de auditoria de fraude revelaram que o fornecedor não tinha endereço físico válido. Ninguém respondeu ao telefone do fornecedor e não conseguimos localizar nenhuma fatura no arquivo de contas a pagar. Encaminhamos o caso a um departamento interno de investigação da Telezio.

Em um quarto caso, um criminoso criou três empresas de fachada diferentes – todas com endereços diferentes em diferentes estados. A análise transacional revelou o esquema, porque as três empresas usaram os mesmos números, datas, erros e valores da fatura. Eles também cobraram no mesmo centro de custo. As perdas da organização com a empresa de fachada foram de US$ 19.800 e as perdas totais de todos os esquemas do autor excederam US$ 150.000.

Casos de passagem:

A Lunoid Inc. terceirizou os serviços de programação de computadores por mais de US$ 5 milhões por ano. Investigamos uma empresa de fachada em potencial que forneceu programadores que trabalhavam remotamente.

Primeiro, identificamos as categorias de contabilidade que estariam a serviço de um esquema de repasse. Em seguida, comparamos os padrões de número de fatura entre todos os fornecedores da mesma categoria de contabilidade geral para determinar o padrão normal das faturas de fornecedor. A análise do número da fatura não revelou pistas fortes. No entanto, anomalias na descrição do item de linha felizmente revelaram o autor. Embora as descrições de itens de linha geralmente não sejam úteis na identificação de esquemas de serviços da empresa de fachada, seguimos o velho ditado: “Se você não olha, não pode ver”.

Em um segundo caso, identificamos uma empresa de fachada da Kalium Inc. que supostamente forneceu pedra britada para construção de estradas. Primeiro, realizamos uma pesquisa nos dados transacionais por código de mercadoria. (Os códigos de mercadorias classificam as mercadorias para importação e exportação.) A análise revelou três empresas diferentes que forneciam pedra britada. A análise transacional indicou que todos os pedidos foram emitidos abaixo dos níveis de licitação e os dados do arquivo mestre revelaram informações duplicadas para os três fornecedores. No entanto, a principal bandeira vermelha foi nosso entendimento de que a economia do país não era grande o suficiente para ter vários fornecedores no setor de pedra britada.

Em um terceiro caso, nenhuma bandeira vermelha estava gritante o suficiente para revelar o esquema de fraude. Só conseguimos descobrir a fraude usando várias análises. O oficial de contrato da Infraloo Corp. havia descontinuado a compra de um fornecedor histórico e começado a comprar de um novo fornecedor, a North Atlantic Supplies, explicando que era um fornecedor minoritário registrado. No entanto, nossas análises de dados de fraude revelaram uma série de bandeiras vermelhas sobre a North Atlantic Supplies.

Uma análise de mudança que comparou as compras do ano anterior às do ano atual mostrou que o fornecedor anterior era uma empresa de capital aberto, mas a North Atlantic Supplies era uma empresa de capital fechado. Percebemos que os pedidos de suprimentos da North Atlantic foram emitidos após a data da fatura.

O padrão de número da fatura era de alcance limitado, fornecendo a ilusão de que o fornecedor tinha outros clientes. Um padrão de intervalo limitado ocorre quando o autor emite faturas em um padrão ascendente aleatório, mas o intervalo de números entre a primeira fatura e a última fatura não é consistente com um fornecedor real.

A Infraloo Corp. inicialmente pagou faturas consistentes com a política da empresa, mas em um ano a velocidade do pagamento aumentou – de 30 para 15 dias. Os campos de descrição da fatura falharam nos testes alfa e numérico. Por fim, a análise de dados do arquivo mestre indicou que o fornecedor era o preferido e revelou a falta de dados comumente encontrados no arquivo mestre da empresa. Nossa investigação acabou identificando perdas totalizando US$ 500.000 pagos à North Atlantic Supplies.

Arte e ciência das empresas de fachada: a análise de dados de fraude é a chave para encontrar empresas de fachada.

No entanto, como o beisebol, por exemplo, é uma ciência e uma arte. No beisebol, você pode entender perfeitamente a ciência exata de conectar o taco à bola, mas se você nunca balançar esse taco, obviamente nunca dominará o esporte, muito menos acertará a bola. Da mesma forma, os examinadores de fraude precisam aplicar seus conhecimentos e ferramentas de análise de dados para encontrar cenários fraudulentos de empresas de fachada escondidos no banco de dados.

O texto foi uma tradução-adaptação do texto indicado no início, que tem a finalidade de mostrar que fraudes contábeis e financeiras também ocorrem no primeiro mundo (EUA) e, aqui no Brasil, devemos adotar posturas preventivas para mitigar os riscos de fraudes que todos os casos aqui demonstrados tiveram participação ativa de empregados da própria empresa fraudada.

Se você sente que pode estar a ocorrer algum tipo de risco de fraude em sua empresa, entre em contato e vamos agendar uma conversa.

Não espere chegar em um momento crítico!

Para saber mais sobre meus trabalhos e publicações, acesse

Luiz Roberto Nascimento

Para acessar e baixar nosso PORTFÓLIO 2020 FatorSyn!

https://fatorsyn.com.br/wp-content/uploads/2019/11/FatorSyn-apresentacao.pdf

Fonte: Autor: Leonard W. Vona, CFE(Certified Fraud Examiner)

Publicado em: https://www.fraud-magazine.com/article.aspx?id=4295004889 =>Mar/Abr-2019

Luiz Roberto Nascimento

0 responses on "7 casos de fraude e sofisticação de ocultação. Como está isso em sua empresa?"

Leave a Message

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Projeto executado por Carolina Figueiredo Marketing Digital ©. Todos os direitos reservados.
Scroll Up