MotivaSyn! #3 Interfaces Operacionais por Henrique V. Mäder #podcast

Olá eu sou Henrique Mäder e vou conversar com vocês hoje sobre INTERFACES DO OPERACIONAL.

Normalmente dentro de uma operação, de uma produção, a gente tem um setor de manufatura. Aquele setor onde as pessoas trabalham transformando, recortando, juntando, conectando, soldando, realizando as operações nos materiais para confecção do produto.

Entre as interfaces, eu gostaria de comentar algumas, até porque elas possuem aí, elementos que complementam este trabalho. Mas, antes disso, eu gostaria de dizer o seguinte:

A manufatura, lá onde estão ocorrendo os processos produtivos, é realmente o local onde se faz o dinheiro.

Quer dizer, todo o esforço do COMERCIAL para a geração de vendas é aqui, neste momento, neste local, nesse setor operacional, na produção, lá na manufatura, que ele vai ser transformado em algo, que depois vai ser entregue ao CLIENTE, para realmente trazer aí é o retorno financeiro e a rentabilidade, e um novo pedido que o CLIENTE irá fazer.

Entre as interfaces, convêm destacar aqui o PCP.

Nem todas as empresas têm o PCP, cuja sigla PCP, na realidade é PPCP, ou seja, Planejamento (futuro), Programação (o que está acontecendo) e Controle da Produção.  Então, esse setor do PCP tem um papel fundamental junto a manufatura, junto à produção, porque é ele que faz todo o controle burocrático do que está acontecendo na produção. Isso significa um trabalho muito conectado com a área de VENDAS. Ele é quem trabalha e lapida esses pedidos dos clientes.

Reparem que VENDAS trabalha com pedidos e a PRODUÇÃO trabalha com produtos.

Então, o PCP têm um papel muito importante aí, de transformar pedidos em produtos e, os produtos em componentes, para poder gerar as ordens de produção e poder entregar isso para a produção realizar as suas atividades. Então a interface com VENDAS é importante, para garantir que aquilo que está sendo realizado no chão da fábrica, lá na operação, lá na manufatura, seja aquilo que realmente importa fazer. Além disso, o PCP faz uma interface com o COMPRAS, para solicitações de compras de materiais, de serviços externos complementares à produção e, tem uma interface aí, muito interessante com o ADMINISTRATIVO e, com o FINANCEIRO, para que possa, junto com estes quatro elementos, estes quatro setores, realmente ajustar a programação daquilo que vai entrar em linha.

Além disso um outro elemento fundamental, é o setor de ALMOXARIFADO.

Este setor recebe materiais, administra materiais e, fornece os materiais para a produção realizar as suas atividades. Então, tem um ponto delicado aí, que é um grande desafio para as empresas. Normalmente quando não há um estudo realizado, a PRODUÇÃO vai ao ALMOXARIFADO. Por isso, que a gente encontra ainda nas empresas, aquela famosa ¨fila na porta do Almoxarifado¨.

E, um dos desafios do ALMOXARIFADO é trabalhar em conjunto com o PCP, fornecendo para a PRODUÇÃO, no momento certo, no local adequado, ou seja, lá no posto de trabalho do operador ou operadora, aquele material que deve estar colocando em movimento, dentro da linha de produção.

É um desafio grande! É um trabalho que a gente faz, com muito carinho, para garantir que, quem está na produção, esteja produzindo, seja uma costureira, seja um cortador, seja um pintor, seja um serralheiro e, vai por aí afora.

Um outro setor bacana e importante, é o setor da QUALIDADE.

Ele traz aí, aquele SENSO DA QUALIDADE, que busca construir a cultura de entregar o melhor, entregar conforme os padrões combinados e determinados. É um desafio muito grande, porque, além de ele fazer esse controle, ele vai ter que levar essa cultura para cada um dos postos de trabalho, para cada uma das pessoas diretas lá na produção, o senso da qualidade.

O que significa isso?

O desafio de entregar, para o próximo posto de trabalho, somente aquilo que estiver OK, conforme, dentro do que foi especificado lá no DESENVOLVIMENTO, lá na ENGENHARIA e, essa Engenharia, muitas vezes junto com o Desenvolvimento, participa dentro da linha com foco no produto, enquanto o PCP e a PRODUÇÃO estão ligadas ao processo de transformação de produção.

Outro elemento importante é a EXPEDIÇÃO.

Está ligada ao FATURAMENTO, portanto ligada diretamente ao FINANCEIRO, ao PCP e, a VENDAS, para que possa receber aquilo que foi produzido, que está conforme, está dentro dos parâmetros definidos, ou pré-definidos, para que possa então, realizar aí, o despacho das mercadorias, dos produtos acabados, da montagem dos pedidos. Pedidos viraram produtos, produtos se transformam em pedidos, para serem feitas as expedições.

Outro ponto importante, é a parte de RESÍDUOS.

Todas essa sobra que essa PRODUÇÃO acaba gerando. Isso hoje em dia, vai ganhando um valor enorme dentro das empresas, até por uma questão de SUSTENTABILIDADE mas, principalmente, porque os resíduos muitas vezes requerem um carinho especial no momento de descarte.

Qualquer resíduo gerado pela PRODUÇÃO, ele precisa ter um destino certo, definido e, que é, de certa maneira entre aspas ¨uma linha secundária de produção¨. Os resíduos vão sendo gerados ao longo do processo e, cada posto de trabalho ou, em alguns postos de trabalho e, precisam ser corretamente descartados. E, muitas vezes, corretamente manipulados. Então, requer um carinho, uma atenção especial também. Lembrem-se disso!

Esse ambiente da manufatura dos processos deve ser limpo, deve estar organizado, deve estar seguro, deve estar de maneira ergonômica, ou seja, adaptado à aquela operação, naquele posto de trabalho, para que aquela pessoa que está executando a tarefa, tenha o melhor desempenho possível.

Sabemos que trabalhar cansa. Claro, você está lá, cumprindo uma jornada de trabalho diária mas, a intenção maior aí, é a empresa fornecer condições daquela pessoa, realizando aquela atividade, naquele posto de trabalho, que ela termine o dia cansada, óbvio, mas sem o desgaste, sem um esforço que não há necessidade, ou seja, ambiente claro, a disponibilidade de todos os recursos que ele precisa para sua atividade naquele posto de trabalho, adaptações, quando necessário, na ferramenta ou, no recurso que ele está operando.

Isso é importante, requer um estudo de TEMPOS E MÉTODOS, requer um estudo de ERGONOMIA, um estudo e o acompanhamento, para a gente poder, então, adequar a operação, àquela pessoa. Cada pessoa é uma, tem uma característica física, que deve ser equilibrada e, dentro do posto de trabalho, para que ela possa executar a sua tarefa.

Deve-se praticar o 5S, ou seja, cuidar desse ambiente, para que fique sempre Limpo, Organizado, Higiênico, Padronizado, para que isso possa ser mantido e, criar uma cultura de economia, de fluidez.

Deve-se praticar o PDCA, o Ciclo PDCA – Planeja, Faz, Check, Aprimora – e roda o ciclo novamente. Isso é importante e, faz com que, todo o seu processo de manufatura,  de transformação, de união, de encontro de componentes, geração de componentes e, tudo mais, possa fluir na linha, entre cada posto, entre cada pessoa, para quê, lá no final, tenha a menor perda possível.

Um outro elemento que a gente deve considerar, nessa leitura, é a MANUTENÇÃO.

A manutenção tem um desafio muito grande, que é manter equipamentos em funcionamento o maior tempo possível. Então, requer aí, um planejamento, requer uma análise dos equipamentos, de conhecer os equipamentos, conhecer os insumos que vão nos equipamentos, uma serra, um disco de corte, toda a estrutura que mantém o equipamento em funcionamento.

Deve-se fazer uma interface muito forte aí com a OPERAÇÃO, porque é o local onde a máquina é exigida ao máximo mas, também, com o PCP, para poder programar paradas e, com isso evitar de, estarmos em operação e parar em função de uma quebra de uma peça, em função de um desgaste que poderia ter sido evitado, de uma troca de ferramenta, enfim, deixar o equipamento sempre disponível para que a OPERAÇÃO, a PRODUÇÃO, possa estar realizando a sua atividade, dentro do horário combinado e, extraindo o máximo desse recurso, em função da importância que cada máquina tem dentro do ciclo de produção.

Convêm lembrar, finalmente, um elemento que é conflituoso e que requer um tratamento especial que é a questão dos TERCEIROS, dentro da OPERAÇÃO.

Algumas operações acontecem na linha de produção, na célula de fabricação e, saem da empresa, para sofrerem algum outro tratamento fora, algum trabalho ou, vêm de fora montadas e, devem ser encaixadas dentro do processo produtivo. E, isso é realmente delicado, para quem está gerenciando a manufatura, gerenciando a produção.

Então, carinho com todos esses componentes!

E, a gente está à disposição, para trocar ideia, para fazer algum trabalho de mentoria, alguma supervisão junto com vocês. Entre em contato, a gente vai trocando ideia, vai passando aqui algumas ideias.

O grande desafio aqui é, atender a solicitação das VENDAS, para atender os prazos combinados com os CLIENTES, sem deixar todo mundo na loucura, correndo atrás, para terminar o dia esgotado. Vamos em frente.

SHINE YOUR NATURE!

Ouça em SOUNDCLOUD |  Ouça em SPOTIFY

Avatar

2 responses on "MotivaSyn! #3 Interfaces Operacionais por Henrique V. Mäder #podcast"

  1. Avatar
    Instituto KR Katia Rumbelsperger Consultora Palestrante Cursos Orientação de Carreira Atendimento Psicopedagógico - CRIANÇA ADOLESCENTES - JOVENS - ADULTOS - IDOSO23/03/2019 at 17:58Responder

    Parabéns pelo conteúdo, você fechou com meu pensamento. Amei! Estarei mais e mais atenta aos meus cursos presenciais e EAD. VALEU
    Vou disponibilizar aos grupos que sou administradora.
    Um grande alertar

    • Avatar

      Que maravilha Kátia Rumbelsperger!
      Está autorizada a usar em seus cursos e trabalhos… apenas pedimos que nos identifique para garantir os direitos autorais.
      Sucesso e depois nos conte a receptividade.

Leave a Message

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Projeto executado por Carolina Figueiredo Marketing Digital ©. Todos os direitos reservados.
Scroll Up