Viver coletivamente é desafiador e contrastante

A falta de solidariedade com o próximo, pode ser até repetitivo dizer, mas se faz necessário refletirmos mais sobre este assunto, no qual as atitudes estão incoerentes com que Deus nos ensinou, rasgando e pisando em ações cometidas ao semelhante.

Vocês conhecem fábula do Porco-Espinho e de como eles vivem com seus espinhos!

Neste artigo de Camilo Aparecido Almeida, retrata de forma fiel, como estes animais tem a capacidade de juntar-se e causam feridas entre si, cujo objetivo salvar a espécie do frio.

Destaco a reflexão do autor.

Temos a capacidade de suportar os espinhos do próximo e transformar num mundo melhor?

O aprendizado proposto por estes animais, mostra a necessidade de preocuparmos com os semelhantes sem importarmos com as cicatrizes.

Sabemos, que os espinhos marcam para toda a vida e machucam!

Agora, o que dizer das abelhas, quando ameaçadas coloquem a vida em cheque e protegem a colmeia, ou seja, a vida de suas semelhantes, onde preferem ferroar o adversário e morrer defendendo os princípios de cooperativismo e colaborativo pelo respeito de seus princípios.

Como as abelhas são sábias e tem capacidade emocional de proteger-se a espécie, algo que seria sensacional se nós humanos tivessem essa premissa, mas infelizmente nos falta uma Inteligência Emocional, cujo imediatismo eliminam esses momentos de alegrias.

Quantas vezes somos obrigados a fazer algo, que não gostamos e desta forma a incompreensão toma conta de cada indivíduo, sem preocupar-se com aquela mensagem instantânea nos comunicadores virtuais, dos quais conversar no telefone, caminha para uma extinção gradativa.

No seu lugar são enviadas mensagens de cobranças amplificando o estado de ansiedade em direção a uma depressão tecnológica perigosa por não terem a capacidade emocional em proteger a sua colmeia.

Quem sabe as abelhas e os porcos-espinhos possam nos ajudar e aprender a respeitar os limites de cada um, sem cobranças, mas propor um apoio colaborativo, em vez de uma gestão repleta de obrigatoriedade para uma corporativa.

No filme Bee, produção dos estúdios da DreamWorks, vem propor uma reflexão inquietante, forte e importante para incluirmos na sociedade, onde existem uma singularidade necessária para sobreviver a espécie, bem como, a nossa, como no desenho sobre a polinização das flores e frutos.

Pare por uns instantes e pense!

O que aconteceria se não tivéssemos mais abelhas ou elas resolvessem tirar férias, numa comparação com a animação da DreamWorks, deixaria o mundo próximo de um colapso mortal para nossa sobrevivência, ou seja, um cataclismo mundial.

Parece loucura ou imaginação do autor, más não é?

Olha ao redor, quantas abelhas têm visto durante uma semana?

O vídeo acima mostra como a população das abelhas tem diminuído a cada ano e estão sumindo. Essa incoerência pode ser direcionada a nós, como na disputa dos egos e por coisas banais pela falta de empatia e sensibilidade com o próximo.

Em vez de ferroar os semelhantes, precisamos cuidar do planeta, deixar de ser menos mesquinhos e ter a capacidade de aprender com as sábias abelhas.

Infelizmente continuamos a ferroar e morrendo por dentro?

Esse individualismo junto ao imediatismo, encontra-se em todos os cenários da sociedade, mas podemos mudar esse contexto, quando imergirmos no universo das Histórias em Quadrinhos, conseguimos entender esse descompasso provocado pelos Pensamentos Vazios e desconectado do Eu Interior.

Esse duelo interior encontrado nos quadrinhos, foi reescrito para o cinema no filme excepcional o Pantera Negra, personagem criado por Stan Lee e Jack Kirby, com roteiro riquíssimo em detalhes e características humanas além da curva, envolvido por uma sensibilidade para evoluirmos como pessoas.

O universo das histórias do Pantera Negra, envolve uma comunidade unida e respeito dos ideais, no que propõe realizar, no caso da cidade fictícia de Wakanda, privilegiada pela queda de um meteoro em suas terras, assim surgiu um cenário de crescimento financeiro e tecnológico avançadíssimo.

O ponto a refletir em Pantera Negra, refere-se ao lado humano na sociedade, o respeito a natureza, simbolismo, religiosidade e ancestrais, no qual o individualismo se desfaz num propósito único pela benfeitoria a todos, cuja tecnologia precisa ser usada a favor de todos.

Precisamos acordar urgentemente, pois estamos alienados e deixando de pensar no próximo, aliás algumas pessoas aproveitam de uma situação ruim e sorrateiramente oferecem algo supostamente bom, mas a verdade ela quer tirar vantagem deste semelhante.

Amigos vamos nos unir e ser solidários e compartilhar o saber, que Deus nos deu, cujo amor e afeição fazem parte de seus ensinamentos.

“Amai uns aos outros, como vos amei”

Agradecer é abrir oportunidades para o universo, então sou grato por acompanhar as reflexões e propormos um mundo mais doce com gosto de felicidade.

Jamais desista de suas atitudes, o não é a força, que precisa para vencer os Pensamentos Vazios.

Obrigado, tenha uma excelente semana e até próximo encontro lúdico e surreal.

Sabemos, que existe o livre arbítrio, caso este conteúdo tenha tocado no seu coração, este conhecimento é seu e fique a vontade para mostrar aos amigos.

Agora, se for possível nos ajude, como conviver com os semelhantes e agregar a sabedoria dos porcos-espinhos com a colaboratividade das abelhas?

Gratidão pelos filmes produzidos e foram essenciais como pinças pedagógicas. Não temos a intenção de infringir os direitos autorais pertencentes ao (YoutubeWalt Disney Studios Motiun PicturesMarvel Studios e DreamWorks Animation), onde sabemos das dificuldades para realizá-los, cujo objetivo é ser um contraponto educacional, veículo para reflexões lúdicas para melhorar as gestões nas empresas, escolas e nas pessoas.

Para solicitar minhas mentorias, acesse

Dênis Aquino de Castro

#fatorsyn!

Dênis Aquino de Castro

0 responses on "Viver coletivamente é desafiador e contrastante"

Leave a Message

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Projeto executado por Carolina Figueiredo Marketing Digital ©. Todos os direitos reservados.
Scroll Up